Sent on by
Juliana Faria
Send Your Own Message

Querida sobrinha,

Quando lhe escrevi essa carta você tinha pouco mais de dois meses e já alegrava meus dias. Hoje, depois de 35 amos, eu acredito q eu já esteja casada, com filhos, talvez netos e q você tenha se tornado uma linda e incrível mulher. Espero q você tenha tido uma infância maravilhosa, q tenha aproveitado intensamente sua adolescência pois essa sem dúvidas é a melhor fase da vida, espero também ter sido além de sua tia-dinda sua amiga, ter lhe ajudado em momentos de dificuldade e ter compartilhado muitos momentos de felicidade com você. Já tomamos um porre juntas? Se não, precisamos nos juntar com a tia Mari e a tia Thay pq meus melhores porres foram com elas. Agora, deixa eu te contar um pouco do mundo em q eu vivi: a minha infância junto com o seu pai foi incrível, temos pouca diferença de idade, então brincamos muito juntos, lembro q na nossa casa tínhamos poucos móveis pq nossa mãe dizia q era melhor, assim teríamos mais espaço pra brincar, lembro também q nosso pai trabalhava muito e mesmo assim foi o melhor pai do mundo (sei q ele tbm é um bom avô), quando criança, não tínhamos muito dinheiro então nossa mãe tinha q caprichar nas comidas já q não íamos a muitos restaurantes. Seu pai foi um adolescente bem estranho hahahahahahaha, um dia peça a ele pra te mostrar a cabeleira dele na época da faetec. Sempre fomos amigos, quando criança, lembro de ter batido no vizinho q bateu nele e como eu era menor, o menino não fez nada. Enfim Valentina, depois de ter entendido um pouco como foi a nossa infância, quero falar sobre o seu futuro, q no caso já vai ter sido passado e… Aff isso ficou confuso né? Hehe. O q eu quero dizer é q eu espero q na sua vida você tenha aproveitado os dias de sol pra brincar na rua, correr, soltar pipa, subir em árvores, sem toda essa tecnologia q as crianças hoje em dia gostam, e q nos dias de chuva você tenha brincado de fazer cabaninha de lençol. Espero ter sido pra mim q vc contou sobre seu primeiro amor, seu primeiro beijo, q você tenha me contado sobre seu primeiro porre, sua primeira decepção amorosa e tantas outras coisas importantes na sua vida, q eu seja para você uma grande amiga. De sua tia-dinda q te ama com todas as forças,

beijos, Juliana.

 

Share on:
 
Send Your Own Message

More Messages to the Future

 

Queridos filhos Heloísa e Henzo,

Tenho muito orgulho da minha função (agente de fiscalização ambiental do Acre) pois é através dela que posso dar um pouco do meu suor, para que no futuro ambos possam ter um lugar melhor para viver.

 

Aos meus sobrinhos queridos, Ana Laura, Luis Carlos e Helloísa,

Talvez eu não esteja viva para ver alguma mudança, mas espero que vocês vejam e tenham um mundo melhor em 2050. Plantei um ipê rosa e outro amarelo, que eles estejam florindo até 2050.

 

Dear Tomorrow,

I promise to only use metal straws and reusable cups.

 

Dear Nuriel, Eliran, and Rotem,

Sometimes I think we will never make it, but I know we must keep trying.

 

dear tomorrow,

I hope that the state of the environment becomes a part of everyday discourse.

 

Dear Sinchi,

The world is changing and it is happening fast.

 

Dear Me,

Today, I promise to keep my spaces clean and my environment cleaner.

 

Dear Tomorrow,

My climate promise is to use a refillable bottle, bring my own resusable spoon/form wherever I go, use clean personal care products (without chemicals).

 

Dear Potential Future Kiddo,

To think that my choices of sustainable commuting, eating a plant based diet, and working on our City’s zero waste program likely pale in comparison to the impact of not having a baby is nothing short of devastating.  Does it make me a bad environmentalist to honor my maternal instincts?

 

Dear Eleanor,

It seems silly to saddle yourself with guilt for something that hasn’t happened yet. I don’t want to do that. As of today, I don’t really feel guilty. I guess I just want to make sure I keep doing more, so that when you read this, and ask what I’ve done since then, I can still feel good about my efforts.

 

To my great-great grandchildren,

I don’t know your name
or even if you’re alive,
but I’m doing all I can
to make sure you survive.

I’m your great- great grandmother
who lived a century ago
in a world far different
from the one you must know.

 

Dear future me,

I’m doing this work because I see it as the best way to save and improve as many lives as possible. I’m doing it so you, 2050 Ryan, can look at yourself in the mirror. And so you can tell your kids and grandkids someday that you did everything you could.

View All Messages

Send Your Own Message